Jessica Diskin e a arte de (Sobre) viver




A vida das pessoas e dos países é um acúmulo de experiências. Com o tempo, passamos todos por um aprendizado. Aprendemos com os erros e com as crises. E embora pareça natural a retenção do aprendizado, o que vemos, muitas vezes é a repetição dos enganos. Esquecemos o que vivemos. Esquecemos nossa história, o que nos condena à repetição dos mesmos padrões e dos mesmos erros.


Com a coleção “Sobre (viver)” a artista visual Jessica Diskin apresenta imagens icônicas e históricas. O que se promove é o resgate da memória, do passado, que é apresentado não como algo desconectado do presente. Ao contrário, a lembrança é “passada a limpo”, e a intervenção da artista deixa clara a ruptura cronológica e a caracterização ousada do que mudou e de como deve ficar a realidade futura.


Jessica Diskin segue fiel a seu estilo. Como crônicas, suas imagens trazem uma multiplicidade de mensagens que desafiam o observador. Como Bosch e Dalí, ela nos apresenta inúmeros detalhes, que nos levam a um demorado mergulho em cada obra. Cada colagem, cada frase, tem sua razão de ser e nos leva à compreensão do todo. No caso, as sugestões nos apontam mais do que um caminho de vida. Recebemos na verdade um guia de sobrevivência, que destaca pontos cruciais e lições que precisamos assimilar e aprender

Marisa Melo (5).jpg

Olá,
sou Marisa Melo!

Olá, sou Marisa melo, inquieta e fascinada pela vida. Fascínio que se manifesta também, na Gastronomia, no universo dos livros e das ideias. Nas cores, na Pintura, na Música e em tudo que me faça pensar. Apaixonada pelos animais, especialmente cachorros! Acredito que todo conhecimento deve ser compartilhado. O que cada um vive e compartilha, enriquece e abre caminhos para todos. Aquela receita maravilhosa. O livro que não dá pra largar. A magia luminosa de uma foto inspirada. A conexão total entre o que comemos e nossa saúde. Entre nossa aparência e nossa autoestima. Quero sempre transmitir a minha verdade. Na foto, no texto, na opinião. Às vezes contra a corrente, às vezes nas entrelinhas. Sem a preocupação do elogio fácil.

Post Archive 

Tags