• Marisa Melo

Paulo Rosa: Multidimensional


O trabalho de Paulo Rosa traz uma miríade de estímulos sensoriais que não cabem em um limitado universo bidimensional. Memórias ancestrais, intuições futuristas, se mesclam e se revelam em obras que trazem mais que desenhos, pinturas e gravuras. A Colagem prevalece, trazendo relevo, ousadia e lembranças em repetições “obsessivas e ritmadas” como diria Arthur Piza.

Com Matisse e Romare Bearden, Piza completa uma tríade de referências. E essa trindade nos conta volumes sobre Paulo Rosa, suas motivações e sua expressão artística. Não é fortuito o fato de que tanto Matisse (em Jazz) e Bearden (em See Breeze) tramem a relação simbiótica entre a Arte Visual e a Música. Afinal, Paulo traduz em seus origâmis cromáticos um movimento, um ritmo, expandindo definitivamente os horizontes dimensionais. A transcendência artística arrebata outros sentidos, dando um novo significado ao que se convencionou chamar de experiência artística. O que se configura é um balé arquitetônico, que conduz o olhar e a alma do observador. Levados por sua “Onda Verde”, chegamos à sua “Cascata Vermelha”, num redemoinho a um tempo turbulento e ordenado, disciplinado e visceral.

Implícita em cada obra está sua preocupação com o ser humano. Uma vertente social, que se manifesta numa transição entre picos e abismos, ondas e vazantes, nas cores frias e quentes. Paulo cria uma coreografia inclusiva e acolhedora em que cores se libertam da Pintura e são reinventadas num flerte imagético com a Escultura. Resgatando seu lado educador, sempre presente, a nos recordar o entrelaçamento de frequências e dimensões, e suas consequências quânticas e existenciais.

Seu trabalho pode ser sentido como um bailado tridimensional. Entre os efeitos e intenções plásticas de tempo e espaço, Paulo Rosa oferece obras multissensoriais que nos sugerem aspectos cinéticos e acústicos. Movimento e música que pedem o espaço e o relevo que a tela não seria capaz de proporcionar. Uma arte cuja direção a ele pertence e que nos permite conjeturar que evoluirá numa trilha multidimensional. Em expansão, como o Universo.





Multidimensional

Paulo Rosa's work brings a myriad of sensory stimuli that do not fit in a limited two-dimensional universe. Ancestral memories, futuristic intuitions, blend and reveal themselves in works that bring more than drawings, paintings and prints. Collage prevails, bringing relief, boldness and memories in “obsessive and rhythmic” repetitions, as Arthur Piza would say.

With Matisse and Romare Bearden, Piza completes a triad of references. And this trinity tells us volumes about Paulo Rosa, his motivations and his artistic expression. It is not by chance that both Matisse (in Jazz) and Bearden (in See Breeze) convey the symbiotic relationship between Visual Art and Music. After all, Paulo translates in his chromatic origamis a movement, a rhythm, definitely expanding dimensional horizons. Artistic transcendence takes other senses, giving a new meaning to what is conventionally called artistic experience. What is configured is an architectural ballet, which guides the eyes and the soul of the observer. Taken by his “Green Wave”, we arrive at his “Red Cascade”, in a whirlpool at a time turbulent and tidy, disciplined and visceral.

Implicit in each work is its concern for human beings. A social aspect, which manifests itself in a transition between peaks and chasms, waves and ebbs, in cold and hot colors. Paulo creates an inclusive and welcoming choreography in which colors break free from Painting and are reinvented in an imagetic flirtation with Sculpture. Rescuing his educator side, always present, to remind us of the interweaving of frequencies and dimensions, and their quantum and existential consequences.

His work can be felt as a three-dimensional ballet. Among the plastic effects and intentions of time and space, Paulo Rosa offers multisensory works that suggest kinetic and acoustic aspects. Movement and music that ask for space and relief that the canvas would not be able to provide. An art whose direction belongs to him and that allows us to conjecture that it will evolve in a multidimensional path. Expanding, like the Universe.

0 visualização

Subscribe to our newsletter

© 2019 Marisa Melo

São Paulo - Brasil 

e-mail: contato@marisamelo.com

+55 (11) 99724 0909

SIGA-NOS

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • Facebook Clean
  • Branca Ícone Instagram