Passaporte para a Imortalidade - Cândido Portinari


A Arte é o espelho da nossa alma. Dorian Gray e Fausto retratam sonhos: beleza, prazer, sabedoria... Oscar Wilde e Goethe souberam captar nosso íntimo, retratar suas épocas e entraram para a História. Esse é o poder da folha, da partitura e da tela em branco. Elas não esperam apenas mais um texto, mais uma canção, mais um quadro. Diante delas, um inglês escreveu “Ser ou não ser”. Um alemão combinou quatro notas mágicas em sua 5ª. Sinfonia. E um italiano pintou um sorriso enigmático. Passaram-se os séculos. E Shakespeare, Beethoven e da Vinci seguem vivos e reverenciados. Nenhum deles planejou isso. Mas ao traduzirem suas almas em suas obras, conquistaram um passaporte para a imortalidade. Quando essa entrega acontece, o observador é conquistado. E aplaude um estilo, que buscará avidamente no próximo quadro. Até criar uma intimidade que lhe permita em segundos relacionar a obra ao autor.

Vamos conversar sobre alguns artistas e seus estilos inconfundíveis.

Hoje conosco, Cândido Portinari.


Candinho, apelido carinhoso do artista plástico Candido Portinari, considerado um gênio nacional, nasceu em dezembro de 1903, em uma fazenda de café de nome Santa Rosa, próxima da cidade de Brodósqui, que fica a 340 km da capital de São Paulo. Descendente de família Italiana, de origem humilde, recebeu apenas instrução primária. Sua infância vivida no interior, nas fazendas de café, foi muito simples. Soube aproveitar sua infância, brincar com seus amigos e criar seus próprios brinquedos. Portinari, desde muito cedo tinha facilidade em desenhar, seu talento foi sendo observado por seus pais e amigos de escola, que quase sempre lhe pediam para pintar em seus cadernos.


Candinho, foi ajudante de pintores italianos na restauração da decoração da igreja matriz de Brodowski. Virava noites se dedicando à arte, aprimorando o seu talento.

Com 15 anos de idade, vai para o Rio de Janeiro, sendo seu passaporte para o mundo das artes, se matriculando na escola nacional de Belas Artes. O que foi fundamental para a construção de sua carreira artística.


Portinari, foi um dos maiores pintores brasileiros de sua época da fase modernista. Um amante da cultura de seu País, produziu mais de 5000 mil obras, todas intensas, humanizadas e, por ter nascido em uma fazenda de café trouxe lembranças de sua infância para suas telas.


Morreu de forma prematura, com 58 anos, no Rio de Janeio. Vítima de intoxicação das tintas que utilizava, meses antes de morrer finaliza o retrato de Denise, sua neta.



"Café" - Cândido Portinari


Obra que retrata a força da mão de obra braçal, sendo uma crítica social.



"Guerra e Paz - Cândido Portinari


"Guerra e Paz",foi um presente do governo brasileiro para a sede da ONU em Nova Iorque. Cada painel tem 14 metros de altura por 10 metros de largura.


“Guerra e Paz, representa sem dúvida o melhor trabalho que já fiz.”

Dedico à humanidade.

Candido Portinari (1957)

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo