Os Mecenas da Arte

Atualizado: 2 de set.



Imagem Goolgle



Os mecenas foram extremamente importantes para o desenvolvimento das artes plásticas, da ciência, da literatura e da arquitetura durante o Renascimento Cultural (séculos XV e XVI).


O termo mecenas na Roma antiga. No século 1 aC., refere-se ao nome de Caio Mecenas, era um conselheiro do imperador romano Otávio Augusto. Caio era um membro da classe dos cavaleiros e um cidadão romano muito rico. Ele foi influente no governo de Augusto e encorajou o imperador a investir e patrocinar vários artistas e poetas da época.







Caio Júlio César Otaviano Augusto , foi o primeiro imperador romano




Poderosos e influentes comerciantes financiavam toda a produção artística em busca de glória e prestigio. A burguesia renascentista, viu na prática do mecenato um atalho para o status aristocrático. Perceberam que o incentivo às atividades culturais garantia projeção política, o que fez com que aumentasse a demanda de recursos financeiros.


Os incentivos dados aos artistas, escritores, arquitetos constituíram uma nova era em Roma. O império, apelidado de “Século de Augusto”, passou por grandes mudanças em seus espaços urbanos. A capital italiana começou a espalhar esculturas de mármores por toda cidade.


O Renascimento trouxe grandes reformas, não apenas nas artes, mas também no campo do pensamento.





Cosme de Médici, um dos mais importantes mecenas do Renascimento - Imagem Goolgle




Grandes artistas se beneficiaram do mecenato:

Michelangelo Buonarroti, Rafael Sanzio, Leonardo da Vinci, Sandro Botticelli, e muitos outros foram financiados por patronos durante o apoio renascentista. Michelangelo recebeu patrocínio da Igreja Católica para os afrescos da Capela Sistina.



Principais patronos do Renascimento Cultural:


Lourenço de Medici (banqueiro italiano)

Cosme de Medici (banqueiro e político italiano)

Galeazzo Maria Sforza (duque de Milão)

Federico da Montefeltro (duque de Urbino)

Francisco I (rei da França)





Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, mais conhecido como Assis Chateaubriand ou Chatô - Imagem acervo Estadão



No Brasil, o mecenato também ganhou notoriedade, porém, em menor escala.

Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, mais conhecido como Assis Chateaubriand ou Chatô, foi jornalista, mecenas, empresário e estadista na década de 1940 Um dos mais influentes do Brasil na década de 1960 , foi também advogado, professor de direito, autor e membro da Academia Brasileira de Letras.


Assis Chateaubriand e Francisco Matarazzo Sobrinho, foram responsáveis ​​por trazer a televisão para o Brasil, ambos conhecidos pelo mecenato.




Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Imagem Wikipédea (mais conhecido como MASP) é um centro cultural e museu brasileiro concebido em 1947 idealizado pelo jornalista paraibano Assis Chateaubriand com o crítico de arte italianoPietro Bardi




Marisa Melo (5).jpg

Olá,
sou Marisa Melo!

Olá, sou Marisa melo, inquieta e fascinada pela vida. Fascínio que se manifesta também, na Gastronomia, no universo dos livros e das ideias. Nas cores, na Pintura, na Música e em tudo que me faça pensar. Apaixonada pelos animais, especialmente cachorros! Acredito que todo conhecimento deve ser compartilhado. O que cada um vive e compartilha, enriquece e abre caminhos para todos. Aquela receita maravilhosa. O livro que não dá pra largar. A magia luminosa de uma foto inspirada. A conexão total entre o que comemos e nossa saúde. Entre nossa aparência e nossa autoestima. Quero sempre transmitir a minha verdade. Na foto, no texto, na opinião. Às vezes contra a corrente, às vezes nas entrelinhas. Sem a preocupação do elogio fácil.

Post Archive 

Tags